Caminhos para a sua instituição incluir a pessoa com deficiência no mercado de trabalho

Veja algumas das possibilidades de ações para empregar pessoas com deficiência (PcD)

De acordo com o IBGE, no Brasil existem 13 milhões de pessoas com deficiência, correspondendo a 6,7% da população. Segundo o Ministério da Economia, 46,9 mil cidadãos foram contratados em 2018, sendo o maior ano em números de inclusões desde 2003. Entretanto, ainda existem diversas barreiras que devem ser quebradas para que a PcD tenha acesso a um trabalho adequado. Para ajudar as instituições que atendem pessoas com deficiência intelectual (PcDI), preparamos um passo a passo para incluir pessoas no mercado de trabalho e impulsionar sua independência.

Passo a passo para a instituição incluir alunos no mercado de trabalho

As instituições que atendem PcDI tem como missão, em geral, desenvolver habilidades e promover a autonomia nos alunos para que eles possam ter uma boa qualidade de vida e exercer atividades naturais do ser humano de maneira independente. Para a inclusão de pessoas com deficiência intelectual acontecer, algumas ações podem ser feitas para facilitar o processo e garantir sua efetividade.

1. Identificar potencial e habilidades

O primeiro passo para que uma instituição que atende pessoas com deficiência intelectual realize a inclusão consciente, é necessário avaliar o perfil do aluno e identificar suas habilidades, potencial e também preferências. Assim, é possível reconhecer oportunidades e traçar uma estratégia para alcançá-las.

2. Avaliação do universo em que a PcD está inserida

A avaliação pessoal é seguida de uma análise do ambiente em que a PcDI está inserida, passando por pontos, por exemplo, sua rotina e relação com a família, identificando possibilidades de a inclusão se efetivar. 

3. Desenvolvimento profissional através de atividades e oficinas

É comum que as escolas para pessoas com deficiência intelectual desenvolvam atividades e oficinas que impulsionam a independência dos alunos, partindo desde atividades de rotina como escovar os dentes, até laboratórios profissionalizantes, onde eles possuem a experiência similar a um ambiente de trabalho. Além disso, as instituições também ensinam e estimulam competências como: pontualidade, higiene pessoal, cumprimento de tarefas, sequenciamento de atividades e socialização.

4. Parceria com empresa para encontrar vaga compatível

Ao ver que o aluno com deficiência intelectual está preparado para o mercado de trabalho, chegou o momento de encontrar uma intermediadora ou uma empresa que promova a inclusão para realizar o processo seletivo com este aluno. Existem empresas facilitadoras que atuam na causa da pessoa com deficiência fazendo a ponte entre a instituição e o mercado de trabalho. Outra opção é firmar parceria com empresas que já possuem um sistema de inclusão ativo e funcionando, respeitando a acessibilidade e sem barreiras comunicacionais, arquitetônicas e atitudinais.

5. Adaptação das necessidades da PcD

Cada pessoa possui uma particularidade que deve ser respeitada com uma escuta empática e uma observação atenta as necessidades extras que a deficiência pode envolver. Dessa forma, com o tempo a empresa precisará providenciar as adaptações de acessibilidade para que o novo colaborador tenha um ambiente adequado, respeitando o desenho universal. Se a pessoa com deficiência intelectual também for cadeirante, por exemplo, será necessária uma mudança estrutural para que ela circule pelos ambientes e acesse outros andares.

Você já ouviu falar sobre desenho universal?

O conceito de Desenho Universal se desenvolveu entre os profissionais da área de arquitetura na Universidade da Carolina do Norte – EUA, com o objetivo de definir um projeto de produtos e ambientes para ser usado por todos, na sua máxima extensão possível, sem necessidade de adaptação ou projeto especializado para pessoas com deficiência.

Referência: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/idiomas/desenho-universal/25786

E o conceito de adaptações razoáveis, você ouviu falar?

Com a vigência da Lei nº 13.146, de 2016 (Lei Brasileira de Inclusão – LBI): consideram-se adaptações razoáveis adaptações, modificações e ajustes necessários e adequados para assegurar que a pessoa com deficiência possa exercer, em igualdade de condições e oportunidades com as demais pessoas, todos os direitos e liberdades fundamentais.

Referência: https://profes.com.br/valeriacg/blog/adaptacao-razoavel-interpretacao-a-luz-da-lei-131462015

Ao lidar com as adaptações que precisam ser feitas, e ver o resultado imediato no desempenho dos trabalhadores e na produtividade, a empresa aprimora o exercício de buscar soluções práticas para os desafios e barreiras, muitas vezes criados pela própria organização em sua cultura, normas ou hábitos. E, com isso, todos ganham.

Referência: https://vidamaislivre.com.br/colunas/baixo-custo-alto-impacto-beneficio-inclusao/

6. Acompanhamento da inclusão

O último passo no processo de inclusão de PcD no mercado de trabalho é realizar o acompanhamento. É essencial checar periodicamente se a inclusão está sendo assertiva, se o trabalhador tem espaço para exercer suas habilidades e se desenvolver, se ele possui uma estrutura de acordo com suas necessidades, se a equipe da empresa sabe lidar com uma pessoa com deficiência, entre outros fatores. A assistência e orientação da escola que conhece o universo PcD e a vida do aluno é essencial para que ele alcance o sucesso e possa futuramente seguir para outras posições de trabalho.

A instituição que já assiste pessoas com deficiência intelectual possuem capacidade para contribuir com a inserção dos alunos no mercado de trabalho. Seguindo este passo a passo, será fácil identificar oportunidades e torná-las reais. E para que a sua instituição se desenvolva ainda mais.

Se quiser começar a inserir os alunos que estão aptos no mercado de trabalho, ou se você quiser cadastrar o currículo, clique no botão abaixo.

Se você faz parte de uma empresa que deseja incluir, entre em contato com a ASID, envie um e-mail para queroincluir@asidbrasil.org.br.

Acesse outros conteúdos da Campanha de Inclusão (clique para acessar):

  1. Caminhos para a sua instituição incluir a pessoa com deficiência no mercado de trabalho
  2. Conheça a metodologia de instituições que fazem a inclusão da pessoa com deficiência intelectual no mercado de trabalho
  3. Histórias de pessoas com deficiência intelectual no mercado de trabalho

Sem respostas a "Caminhos para a sua instituição incluir a pessoa com deficiência no mercado de trabalho"


    Tem algo a dizer?

    Se você achou este conteúdo útil, compartilhe com quem possa se interessar!