3 mitos sobre a contratação de pessoas com deficiência

Muitas vezes os mitos sobre a contratação de pessoas com deficiência acabam influenciando na não contratação.

Então quanto antes quebrarmos esses mitos, melhor, não é mesmo? Vamos lá!

Alguns dados

Cada vez mais a contratação de pessoas com deficiência no mercado de trabalho vem sendo discutida. Parte disso pela obrigatoriedade imposta pela Lei de Cotas, mas também pelos resultados que isso gera para empresas.

Dessa forma, dados de 2015 mostram que apesar do desemprego em geral atingido 8,9% dos trabalhadores brasileiros naquele ano, o número de PcD contratadas seguiu o oposto, crescendo 5,8%. Por isso preparamos a discussão de 3 mitos que podem ajudar a tornar sua empresa mais inclusiva.

Mito 1. As pessoas com deficiência não são produtivas

Esse é um mito que não tem base e acontece pela falta de conhecimento das pessoas em geral sobre o potencial das pessoas com deficiência. Porém, para mostrar todo o seu potencial é necessário que a vaga seja preenchida com uma pessoa com perfil compatível¹ e que a equipe esteja de braços abertos para receber uma PcD².

Dizer que a vaga deve ser preenchida com uma pessoa de perfil compatível não quer dizer que deve ser exclusiva para uma PcD. Pois isso inclusive é ilegal, mas que a pessoa contratada se adeque ao perfil que a empresa procura. Por exemplo, para contratar para uma vaga estratégica você não procura alguém com perfil mais operacional, e vice-versa, não é mesmo?

Assim o mesmo vale aqui, contratar pela competência, não pelas características.

Estar de braços abertos signfica ter ciência do potencial e os desafios que uma PcD enfrenta. De tal forma que todos se tornam responsáveis pelo processo de inclusão. Isso pode ser feito através de palestras, workshops e vivências para construir uma cultura organizacional inclusiva.

Um estudo do Instituto Alana e McKinsey mostra que a inclusão de PcD intelectual gera o desenvolvimento de competências no restante da equipe. Por exemplo paciência, abertura a novas realidades e empatia.

Mito 2. Não saberei como me comunicar, liderar, dar e pedir feedback caso contrate uma PcD

Esse sentimento é compreensível, principalmente para as pessoas que não têm contato com PcD no dia a dia.

Entretanto, isso não é de fato uma barreira, pois existem muitas formas para superar. Desde que o gestor se prepare e prepare sua equipe. Por exemplo fazendo cursos de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), ou então utilizando tecnologias assistivas como o Hand TalkRybená e o Essential Accesibility. As tecnologias assistivas ajudam na comunicação. Assim como na equalização da produtividade de pessoas com e sem deficiência.

O pessoal do Sebrae-Sp lançou um guia bastante prático sobre como atender pessoas com deficiência. Esse guia é extremamente útil e pode te ajudar:

Contratação de pessoas com deficiência
Guia de como atender pessoas com deficiência, do Sebrae-Sp

Mito 3. Não existem candidatos disponíveis

Sera mesmo que não existem candidatos? Se eu te falar que na cidade onde você mora pode existir pelo menos uma instituição que atua com pessoas com deficiência com candidatos para indicar?

Desse modo, em grandes centros chegam a ser centenas de instituições, como APAEs. Mais do que cadastrar a vaga em um site e esperar os candidatos enviarem seus currículos. Você mesmo pode entrar em contato com as instituições e ter acesso aos candidatos, conhecê-los e selecionar quem você considerar mais adequado a vaga.

Assim, os ganhos dessa abordagem são diversos, um deles é a sensibilização que você terá ao conhecer a realidade de uma instituição e o trabalho que ela desempenha com os atendidos. Por outro lado conhecerá o potencial dessas pessoas. É provável que tudo isso torne a inclusão mais natural e altamente assertiva.

O plus desse processo é que em qualquer momento de dúvida ou emergência, você poderá contar com o apoio da instituição. Por exemplos:

  • Você possivelmente terá o suporte dos psicólogos e pedagogos da instituição. São profissionais que em muitos casos já conhecem essas pessoas há anos. Assim vão te dar a tranquilidade para resolver as dúvidas e problemáticas o que aparecerem pela frente.
  • Aqui na ASID Brasil, um de nossos cases diz respeito ao auxílio no processo de inclusão de pessoas com deficiência intelectual da Escola Especializada Primavera. Dessa forma, o projeto consistiu na criação da ponte entre empresa e instituição. Como resultado, esse projeto foi um dos vencedores do Prêmio Luiz Hamilton Berton, da ABRH-PR em 2016.

Então para saber mais informações sobre a contratação de pessoas com deficiência, outros mitos e cases de inclusão:


10 Respostas a "3 mitos sobre a contratação de pessoas com deficiência"

  • Rodrigo Feltrin
    8 de agosto de 2017 (17:24)
    Responder

    Sou transplantado renal, sou considerado PCD para a empresa?

    Posso me candidatar a uma vaga para PCD? Vejo discriminação na contratação quando falo minha condição.

    • ASID
      9 de agosto de 2017 (13:57)
      Responder

      Olá Rodrigo. Infelizmente não temos conhecimentos para te dizer que sim ou não, sugerimos que entre em contato com um médico que poderá avaliar sua condição. Um abraço e curta a ASID no facebook.com/asidbrasil.

  • Bianca Bragança
    21 de agosto de 2017 (16:07)
    Responder

    Boa tarde,

    A ASID faz indicações de pessoas com deficiência que tem interesse em trabalhar no comércio?
    Sou da área de recrutamento e seleção da RaiaDrogasil S/A e temos a bandeira Droga Raia atuando hoje no Sul.
    Temos um escritório em Curitiba e gostaria de saber se há interesse, pois temos algumas oportunidades em nossas filiais.
    Obrigada pela atenção!

    • ASID
      22 de agosto de 2017 (22:13)
      Responder

      Oi Bianca, bom dia. Tudo bem?

      A ASID trabalha com uma rede de 35 instituições para pessoas com deficiência em Curitiba. Porém, não trabalhamos com a indicação direta destas pessoas para as vagas, procuramos entender as vagas e se a empresa já possuí uma cultura inclusiva antes de fazer as indicações.

      Podemos combinar uma reunião para te falar sobre nossa atuação, por favor envie um email para luiz@asidbrasil.org.br.

      Abraços e curta a ASID no facebook.com/asidbrasil.

  • Raquele Ferreira dos Santos
    18 de abril de 2019 (11:45)
    Responder

    Bom dia!!
    Prezados Senhores.
    Eu sou Raquele Santos tenho 23 anos,sou PCD,tenho dificuldades psicomotoras devido a (Epilepsia).
    Porém nâo possuo nenhuma experiência profissional.
    Aguardo uma resposta.
    Raquele Santos.

    • ASID
      22 de maio de 2019 (10:32)
      Responder

      Oi Raquele, bom dia! Tudo bem?
      Por favor cadastre seu currículo aqui: https://forms.gle/TtxMgD8pNAR3DwXN6. É necessário ter um email no Gmail para preencher o formulário.
      Dessa forma, assim que surgir uma oportunidade compatível entraremos em contato.
      Também sugerimos que se cadastre em outro sites, em especial a Egalitê: https://www.egalite.com.br/.
      Obrigado e vamos nos falando. Abraços, Luiz Hamilton.

    • Silvana Lemos dos santos
      23 de julho de 2019 (04:05)
      Responder

      Tenho transtorno bipolar afetivo do humor gostaria de saber se tenho direito a vagas PCD?

      • ASID
        12 de agosto de 2019 (19:51)
        Responder

        Olá, Silvana! Tudo bem?

        Para ter resposta a essa pergunta é necessário que você passe pela avaliação de um médico que irá analisar se seu caso se enquadra em alguma doença do Código Internacional de Doenças (CID). Caso se enquadre você terá um laudo e nele constará o número do seu CID. Assim você terá direito a vagas para pessoas com deficiência nas empresas.

        Abraços,

  • Thais
    29 de julho de 2019 (19:42)
    Responder

    Olá,

    Possuo transtorno afetivo bipolar (transtornos psicóticos), um tumor benigno ósseo (na cabeça do fêmur) o que faz com que eu precise usar muletas, escoliose, reganho de peso total após cirurgia bariátrica. Poderia trabalhar como PCD?

    • ASID
      12 de agosto de 2019 (19:53)
      Responder

      Olá, Thais! Tudo bem?

      Para ter resposta a essa pergunta é necessário que você passe pela avaliação de um médico que irá analisar se seu caso se enquadra em alguma doença do Código Internacional de Doenças (CID). Caso se enquadre você terá um laudo e nele constará o número do seu CID. Assim você terá direito a vagas para pessoas com deficiência nas empresas.

      Abraços,


Tem algo a dizer?

Se você achou este conteúdo útil, compartilhe com quem possa se interessar!